O ALENTEJO

Conheça


Origens

No Alentejo viaja-se naturalmente com e pela História. A abundância e a qualidade do Património que a exprime tornam simples a sua descoberta, mas quem visita a região pela primeira vez pode sentir alguns problemas de escolha. Se é o seu caso, não hesite: opte pelas nossas sugestões e verá que a magia do Alentejo se encontra, com um infinito prazer, em todos os lugares. 

A presença humana nestas paragens está documentada desde o Período Paleolítico. A sua melhor expressão é a Gruta do Escoural, cuja visita deve, obrigatoriamente ser precedida de marcação no Centro de Interpretação localizado na vila de Escoural. 
 
A época do apogeu da cultura megalítica situa-se entre os IV e III milénios a.C., estando inventariadas várias centenas de monumentos em toda a Região. Partir para o campo à descoberta de antas, cromeleques e menires é uma das experiências mais gratificantes que pode viver-se no Alentejo. É o que lhe propomos. 

Quem tiver pouco tempo ganhará em começar por explorar o eixo Montemor-o-Novo - Évora – Monsaraz, onde se concentram alguns dos seus expoentes mais significativos. Depois de uma visita do Núcleo Arqueológico do Convento de S. Domingos, em Montemor-o-Novo, ou do Centro Interpretativo Megalithica Ebora do Convento dos Remédios, em Évora, excelentes introduções ao tema do Megalitismo, encontra com facilidade: na zona de Évora, a Anta Grande do Zambujeiro, as antas do Barrocal e o menir e cromeleque dos Almendres; na zona de Monsaraz, as antas do Olival da Pega, o cromeleque do Xerez e os imponentes menires do Outeiro, da Belhôa, do Barrocal e do Monte da Ribeira, este último re-instalado no interior de uma adega patrimonial. Ainda na região de Évora, vale a pena dar um salto à vila de Pavia para espreitar a anta-capela de S. Dinis, curioso exemplo de cristianização de um monumento considerado pagão. 

No eixo Castelo de Vide - Marvão, aconselha-se a visita do Centro de Interpretação do Megalitismo, instalado num antigo paiol do castelo de Castelo de Vide, da Anta da Melriça, do Parque Megalítico dos Coureleiros (Anta 2) e do Menir da Meada; e, na Aldeia da Mata (Crato/Flor da Rosa), da Anta Grande do Tapadão, uma das mais bonitas e melhor conservadas de todo o Alentejo. 
Muitos outros monumentos poderão ser observados. Basta treinar o olhar para os descobrir dispersos pelo campo. Alguns percursos pedestres de natureza, que vivamente aconselhamos, são a melhor forma de os encontrar e, também, de sentir como é exemplar a aliança milenar que aqui se forjou entre a paisagem e o património. 
voltarvoltar
generico_portugues_gr_21427173214ed8fb849506c.png

Tempo para ser feliz
Download

guia_museus_portugues_gr_13425300734ed8fbd997a2b.png

Guia de Museus do Alentejo
Download

Tempo para ser Feliz

Tempo para ser Feliz
Download

Conheça o que o Alentejo tem para lhe oferecer
Turismo do Alentejo Turismo de Portugal - Alentejo
INALENTEJO QREN União Europeia